« Anterior - Versão 7/34 (diff) - Próximo » - Versão atual
Vítor Baptista, 11/08/2010 22:31
Removendo $ dos comandos, assim os usuários podem dar CTRL+C/V


Instalando o middleware para desenvolvedores

Este tutorial se destina aos desenvolvedos de middleware, ou seja os que estão cadastrados como developer no sistema.
A instalação é igual a instalação de um usuário, a qual pode ser vista em Instalando o middleware para usuário.
Diferenciando apenas as formas como é baixado a arquitetura e o middleware. Ou seja utilizando :<diretorio>.
Este tutorial foi feito tomando como base o Ubuntu 9.10 de 32 bits.
Caso tenha dúvidas ou queira compartilhar o sucesso instalando em outras distribuições, entre em contato pela nossa lista de e-mails.

Adquirindo permissão de commit

O git diferente do svn, não usa senha, e sim chaves RSA para permitir o acesso a commit.
Para maiores detalhes leia a sessão Configurando o git do tutorial a seguir link.

Instalando as dependências

A maioria delas estão disponíveis nos repositórios do Ubuntu. Para instalá-las, faça:

sudo aptitude install subversion git-core build-essential libdirectfb-1.2-0 libdirectfb-dev libssl-dev libcppunit-dev autoconf libtool libxine-dev libxine1 libxine1-ffmpeg

DirectFB-Extra

O DirectFB-Extra disponível no repositório não está compilada com tudo que precisamos. Então precisamos compilá-lo manualmente:

wget http://www.directfb.org/downloads/Extras/DirectFB-extra-1.2.0-rc1.tar.gz
tar -xvvzf DirectFB-extra-1.2.0-rc1.tar.gz
cd DirectFB-extra-1.2.0-rc1
./configure --prefix=/usr (No final ele deve mostrar que o video provider do Xine está ativo)
make
sudo make install

jlibcpp

svn co https://jlibcpp.svn.sourceforge.net/svnroot/jlibcpp jlibcpp
cd jlibcpp
// Comente as linhas 96, 118, 120 e 122 de jgui/joffscreenimage.cpp, que usam uma versão mais nova da directfb que a disponível pelo aptitude. 
make
sudo make install

Flexcm

svn co https://flexcm.svn.sourceforge.net/svnroot/flexcm flexcm
cd flexcm/flexcmee/flexcmee
./make.sh
sudo ./make-install.sh

Sun J2SE SDK 1.4.2

Baixe em http://java.sun.com/javase/downloads/jdk/142/ e descompacte-o em /opt. Atualmente, a versão é 1.4.2_19, então o diretório ficaria /opt/j2sdk1.4.2_19. Anote-o pois precisaremos indicá-lo daqui a pouco para o middleware.

Configurando o DirectFB para o X11

Recomendamos utilizar o FrameBuffer em cima do X11. Assim fica mais fácil de debuggar o middleware e/ou as aplicações. Para isto, crie o arquivo ~/.directfbrc contendo:

system=x11
mode=960x540
pixelformat=ARGB

O campo system indica que a saída gráfica do DirectFB será em uma janela do X11. Caso queira trabalhar direto no FrameBuffer, modifique para system=fbdev. Já o campo mode, no X11, define o tamanho da janela criada. Utilize o comando dfbdump para verificar se as configurações contidas no arquivo directfbrc foram definidas corretamente pela DirectFB.

Outros parâmetros podem ser especificados e estão disponíveis na documentação do DirectFB.

Arquitetura do middleware

Este projeto contém os cabeçalhos que todos os componentes da GingaCDN deve seguir.

git clone git@dev.openginga.org:architecture.git
cd architecture
autoreconf
./configure
sudo make install

Compilando o middleware

Para baixar a versão em desenvolvimento do código, faça:

git clone git@dev.openginga.org:middleware/openginga.git
cd openginga
git submodule init
git submodule update

Caso a versão do J2SDK que você baixou seja diferente de 1.4.2_19, precisamos modificar o arquivo env.sh (source:env.sh) que está na pasta raiz do openginga. Procure pela parte que diz:

export JAVA_HOME=/opt/j2sdk1.4.2_19

O modifique este caminho para o do J2SDK que você baixou nos passos anteriores. Por exemplo, se a versão que você tem for a 1.4.2_20, modifique-o para:

export JAVA_HOME=/opt/j2sdk1.4.2_20

Aṕos isso, estando no diretório do openginga, digite:

source env.sh
make

Depois de algum tempo, ele deve mostrar uma mensagem de sucesso. Para testar, execute-o fazendo:

cd openginga/gingacc
./start.sh

Lembrando que, sempre que você for executar o openginga, você já deve ter executado source env.sh ao menos uma vez no mesmo terminal.